Twitter Facebook

CNTSS > ARTIGOS > LIBERDADE E AUTONOMIA SE CONSTRÓI COM IGUALDADE

Liberdade e autonomia se constrói com igualdade

Escrito po: Rosane Silva, secretária da Mulher Trabalhadora da CUT e Rosana Sousa, secretária de Juventude da CUT

12/07/2012

Há 10 meses foi publicado nesse mesmo espaço um artigo assinado por mim e pelo Vagner Freitas com o seguinte título “Paridade entre homens e mulheres no PT é um exemplo a ser seguido”.

De lá pra cá o debate sobre paridade na CUT se espalhou por todo país. A 13ª Plenária Nacional aprovou a proposta de que a Central intensificaria o debate sobre a paridade entre homens e mulheres nas instâncias das Direções Estaduais e Nacional por meio de atividades especificas e materiais de apoio, desde a base até o nível nacional. Foi realizado um seminário nacional. A paridade foi discutida em todos os CECUT´s. Evidente que ao tocar no tema das relações de poder, em lugares de tomada de decisões, apareceram resistências que demonstram a existência de um arraigado machismo ou resistência ao compartilhamento do poder, mas podemos dizer sem medo de errar que esse tema passou a ser apropriado, a ser debatido por mulheres e homens de todas as correntes políticas. E é justo reconhecer que desde o início contamos com o apoio de vários homens nessa empreitada.

Essas ações, esses movimentos contribuíram para dar mais consistência aos argumentos e debates. Hoje é senso comum que paridade não é apenas uma questão numérica. É uma política que ao ser aplicada terá como resultado a construção da igualdade, porque implica em reconhecer que as mulheres são discriminadas e tratadas de forma desigual no trabalho, na vida e no movimento sindical. Esse reconhecimento exigirá mudanças nas práticas que afastam as mulheres das atividades sindicais e na incorporação de uma nova concepção de trabalho, que considere o trabalho realizado pelas mulheres no âmbito familiar e doméstico na definição da política sindical.

A maioria das plataformas e discursos incorpora a defesa da igualdade entre mulheres e homens, mas a distância entre o discurso e a prática é grande. A ausência das mulheres nos espaços de poder faz com que pautas que atingem diretamente a vida das trabalhadoras não sejam tidas como prioridade. As mulheres não querem ser representadas pelos homens. Querem assumir para si a condução de sua própria história. Elas têm autoridade política e legitimidade enquanto sujeito histórico para apresentar suas demandas.

Ainda é um desafio para a CUT fazer cumprir o estatuto e aplicar a política de cotas de gênero para os órgãos diretivos da estrutura vertical, as delegações aos congressos e outros âmbitos de deliberação, a composição das delegações que representem a Central em eventos externos, etc.

Ao mesmo tempo, é tarefa de todo e toda sindicalista garantir a transversalidade de gênero em todas as políticas, atividades e espaços da CUT, para que nossa central assuma a cada dia mais, este espaço como um espaço dos trabalhadores e das trabalhadoras.

Situações a serem enfrentadas

É necessário que a CUT assuma que as desigualdades de gênero e a divisão sexual do trabalho na sociedade são empecilhos ao pleno desenvolvimento e autonomia das mulheres e incorpore a luta por creches e escolas de período integral como uma luta prioritária

Atuar para eliminar práticas que excluem ou dificultam a participação de mulheres no movimento sindical tais como machismo e horário de reuniões e colocar em prática políticas para incentivar a participação de mulheres nos lugares de decisão e representação e dar-lhes  apoio material e político à sua organização.

Se nós, na CUT, queremos de fato modificar a relação de poder no movimento sindical devemos considerar a paridade entre homens e mulheres fator fundamental para iniciarmos uma mudança na concepção política e sindical.

Reconhecer que Liberdade e Autonomia se constrói com Igualdade exigirá de delegados e delegadas do 11º CONCUT o compromisso em incorporar a igualdade de sexo na composição das direções das CUT ´s estaduais e da Nacional e inserir essa resolução nos estatutos desde já, para demonstrar o real compromisso com a democracia e a igualdade.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br