Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > TESOUREIRA DA CNTSS/CUT REAFIRMA FALTA DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PARA TRABALHADORES DA SAÚDE E SUBNOTIFICAÇÃO DE CASOS DE COVID-19 EM ENTREVISTA A EMISSORA DE TELEVISÃO

Tesoureira da CNTSS/CUT reafirma falta de equipamentos de proteção para trabalhadores da saúde e subnotificação de casos de Covid-19 em entrevista a emissora de Televisão

23/04/2020

Reportagem aborda o aumento de casos de Covid-19 entre os profissionais da saúde em todo Estado; números devem ser maiores por conta da falta de testes de contaminação nas redes de saúde

Escrito por: Assessoria de Imprensa da CNTSS/CUT

 

Na quarta-feira, 22 de abril, uma emissora de TV levou ao ar em sua programação de jornalismo uma reportagem sobre a situação dos profissionais de saúde que estão expostos à contaminação do novo coronavírus (Covid-19) usando como referência o Estado de São Paulo. Entre os entrevistados sobre o assunto, a emissora contou com a participação da tesoureira da CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social e secretária Geral do Sindsaúde SP – Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo, Célia Regina Costa, que reiterou as denúncias sobre as más condições de trabalho e equipamentos e a falta de cuidados a que estão expostos estes trabalhadores.

 

Apesar dos números alarmantes de contágio e mortes expostos na matéria, a liderança sindical questiona estes resultados apresentados pelos governos estadual e municipal, que devem ser ainda maiores, uma vez que as redes de saúde não disponibilizam os testes de contágio para os trabalhadores.  Outra questão denunciada pela dirigente é o fato de que os equipamentos de proteção também precisam ser de melhor qualidade. “No setor público não tem havido testes. Este é um problema para nós. Infelizmente, a qualidade dos equipamentos que têm chegado nas unidades não são de boa qualidade”, afirma Célia Costa.

 

Clique aqui e veja a íntegra da entrevista:

 

Estes questionamentos manifestados pela dirigente têm sido reiteradamente pauta das entidades sindicais nas discussões com os governos e entidades privadas para ver conferido protocolos e estruturas que garantam a proteção dos trabalhadores em saúde. Tem sido intensa por todo o país a ação das entidades filiadas á Confederação para garantir os direitos destes trabalhadores, incluindo, inclusive, ações na Justiça e Ministério Público do Trabalho para ver cumpridos os princípios de segurança e saúde no trabalho neste momento de combate ao Covid-19. Estas questões denunciadas pela dirigente foram confirmadas pelo enfermeiro utilizado na matéria como personagem.

 

O tema da matéria da emissora de TV é justamente sobre a tensão que os trabalhadores da saúde vêm sofrendo neste momento de pandemia. A reportagem fala do caso de um enfermeiro que manifesta este medo e que já foi contaminado pelo vírus, teve que passar por atendimento em UTI e obteve cura. O mesmo profissional faz um depoimento sobre a tristeza da perda de um amigo médico pelo contágio à doença. Mesmo não sabendo se o fato de ter adquirido a doença lhe garante ou não imunidade, o profissional retornou ao seu ambiente de trabalho para ajudar no atendimento da população e atuar no combate a expansão do vírus.

 

A reportagem expôs os números apresentados pelos governos sobre o contágio dos profissionais da saúde. Dados do governo estadual demonstram que existem 1.557 profissionais da rede afastados por síndrome gripal. Sendo que o Estado não soube informar quantos deste total estão contaminados pelo Covid-19. Assim como não soube dizer o número de óbitos. Já na capital, considerada o epicentro da contaminação, o número apresentado pelo governo municipal é ainda maior, atingindo 3.825 funcionários das redes pública e privada afastados por síndrome gripal. Deste total, 515 deram positivo ao coronavírus. E os óbitos chegam a dez casos.

 

A CNTSS/CUT tem insistindo junto as suas entidades para que seja possível ter uma radiografia mais precisa da situação das redes de saúde e dos profissionais. Entre as orientações encaminhadas está a de que encaminhem semanalmente um quadro geral desta situação que possa expor uma série de informações, entre elas os seguintes dados: número de trabalhadores da saúde contaminados, afastados, doentes internados, falecimento, além das situações do EPIs – Equipamentos de Proteção Individual. O levantamento destes dados é fundamental para a definição de estratégias e ações em defesa dos trabalhadores. 

 

Outra estratégia definida pela Confederação está centrada na parceria realizada com a ISP – Internacional do Serviço Público na realização da Campanha "Trabalhadoras e Trabalhadores Protegidos Salvam Vidas". A campanha incluiu um questionário online onde os trabalhadores da saúde e das demais áreas essenciais podem responder aos questionamentos feitos sobre suas reais condições de trabalho. Basta acessar o site da campanha e preencher o questionário ( trabalhadoresprotegidos.com.br ). Os dados, que são sigilosos e não há necessidade de identificação do profissional no momento de responder as perguntas, serão transformados em relatórios para facilitar o diagnóstico e as análises das entidades participantes com vistas a adoção de medidas.

 

 

José Carlos Araújo

Assessoria de Imprensa da CNTSS/CUT

 

 

 


 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br