Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > A REFORMA ADMINISTRATIVA E O PAPEL DO ESTADO

A reforma administrativa e o papel do estado

28/08/2020

DIEESE apresenta as novas regras para o serviço e os servidores públicos propostas por Guedes e Bolsonaro

Escrito por: Sindsaúde GO

 

Todas as segundas-feiras o Sindsaúde-GO e o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE – GO) realizam reuniões virtuais com as entidades sindicais com objetivo de trocar informações e de obter um maior entendimento sobre o cenário sócio, político e econômico do Brasil em meio ao drama do novo coronavírus. As reuniões ganharam corpo, vozes e agregam o Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e Soberania.

 

A pauta do encontro de 10 de agosto foi a Reforma Administrativa do Governo Federal e a redução do papel do Estado na vida dos trabalhador@s públicos e consequentemente dos serviços públicos prestados aos cidadãos brasileiros.  

 

O pacote de medidas econômicas idealizadas pelo economista e banqueiro, Paulo Guedes, atual Ministro da Economia do Governo de Jair Bolsonaro (sem partido), pretende simplificar as carreiras de serviço público no Poder Executivo, com novas formas de contratação sem vínculos e sem estabilidade. Segundo a proposta, as regras serão válidas apenas para novos servidores e os que já têm direitos adquiridos não seriam atingidos pelas novas regras. Será?

 

Para entendermos o que é a Reforma Administrativa (RA) é necessário compreender a disputa da narrativa do Governo Federal.  Segundo o Ministro da Economia “… a Reforma Administrativa é crucial para retomada do desenvolvimento.” Segundo ele, a RA “é um instrumento para reestruturar o Estado que está inchado e burocratizado, é tornar o Estado eficiente.” Com esta proposta o Governo pretende a curto e médio prazo “modernizar” e apresentar resultados robustos, reduzindo o papel do Estado.

 

O discurso do Ministro Paulo Guedes e da Frente Parlamentar que defende a Reforma Administrativa é de fato perfeito vindo dos que são de partidos e de ideologias de extrema direita e ultraliberais que sempre defenderam o Estado mínimo, onde os agentes privados (empresas) é quem devem administrar o Estado. A pergunta é empresas privadas investem em setores sociais essenciais (saúde, educação e segurança pública)?

 

É importante dizer que antes da Proposta da Reforma Administrativa começar a ser cogitada o Governo Federal implementou um brilhante discurso demonizando os serviços (SUS e escola pública)  e  os servidor@s públicos para a população. Impossível não lembrar da frase, “Servidores públicos são um bando de parasitas.”

 

Formada a opinião pública falaciosa o Ministro e a Frente Parlamentar continuam utilizando o discurso enganoso e repleto de outras intenções, sendo o primeiro deles, prestigiar o setor privado (empresas) e obter o apoio da população para votação da Reforma.

 

Os pontos mais polêmicos da Reforma Administrativa que comprovam a falácia do Governo Federal para o entreguismo dos serviços públicos para o setor privado estão na simplificação das carreiras e dos salários, o fim da estabilidade no serviço público e fim dos concursos públicos. Tudo isso votado de forma rápida como tem sido realizado, após o “toma lá, dá cá” de cargos políticos pelo Presidente Jair Bolsonaro para os deputados federais do conhecido bloco do Centrão, amplamente divulgado em toda a imprensa e sem nenhum tipo de diálogo com as entidades representativas dos trabalhador@s.

 

Segundo o DIEESE, essa narrativa pejorativa com relação aos trabalhador@s dos serviços públicos ganha corpo e os mitos falsos dos gastos com servidor@s e serviços públicos, orientam e sustentam a narrativa mentirosa do Governo e dão fundamento ao Estado mínimo. O DIEESE prova estatisticamente que o Brasil tem uma proporção pequena de trabalhador@s públicos em relação a outros países em desenvolvimento. São 11,4 milhões de servidor@s públicos em todo o país e o Brasil tem investimentos públicos estagnados no setor.

 

Entenda a Reforma Administrativa

 

Simplificação de Carreiras:temos no Brasil cerca de 300 tipos de carreiras no serviço público. O objetivo é reduzir com a Reforma para 20 a 30 carreiras. Hoje há uma progressão salarial com 13 níveis.  A proposta do Governo Federal é que a progressão tenha mais níveis, de forma que os servidor@s demorem mais tempo para chegar ao salário final da carreira.

 

A proposta do Presidente e do Ministro é que os novos servidor@s não tenham mais a garantia da estabilidade. A medida viria como Emenda Constitucional, como tantas outras que já vieram a partir de 2015, no Governo de Michel Temer, MDB (EC 95, Pec da Morte do SUS). O fim da estabilidade no serviço público é de fato um argumento polêmico e contraditório, uma vez que fica clara a intenção do Governo de fazer os cargos do poder executivo de cabides de emprego em períodos eleitorais, o que irá sem dúvida inchar a máquina administrativa muito mais do que é hoje.

 

Redução de salários:o Governo pretende com a Reforma criar um teto mínimo, no sentido de reduzir ainda mais os salários no início da carreira. O modelo moderno da Reforma Administrativa é acabar com serviços e as estruturas públicas. Flexibilizar ou reduzir o princípio estatutário à lógica empresarial e ultraliberal é trazer mais desigualdade social e mais pobreza para o povo brasileiro. O setor privado (empresas) jamais será ordenador de desenvolvimento social. Privatizar só vai gerar mais miséria.

 

Dizer que o dinheiro acabou e que o pais está quebrado ou em crise é e sempre será uma questão política. O Estado tem diversas formas de ampliar as receitas e de captar recursos sem sucatear as estruturas públicas de assistência, sem demitir servidor@s públicos. Para recuperar a confiança do mercado exterior e de investimentos e da economia brasileira é preciso que os trabalhar@s e a sociedade comecem a desvendar o que são os mitos da Reforma Administrativa e o que são as verdades dos fatos.

 

Precisamos é de um Presidente da República que lute pela nação e não pelo desmonte e uberização dos serviços públicos essenciais.

 

 

https://www.sindsaude.com.br/web/a-reforma-administrativa-e-o-papel-do-estado-entenda-as-novas-regras-para-o-servico-e-os-servidores-publicos-no-brasil/

 

 

 

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br