Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > GOVERNO RECEBE FONASEFE ÀS VESPERAS DO INÍCIO DE UMA GREVE DE SERVIDORES FEDERAIS,

Governo recebe Fonasefe às vesperas do início de uma greve de servidores federais,

24/03/2022

Governo não recebia Fórum desde 2019 e voltou a insistir na impossibilidade de abrir negociações com impacto financeiro. Promessa é que uma resposta aos pleitos apresentados saia até 10 de abril

Escrito por: Sindprev AL

 

Após três anos de silêncio sem receber representantes da maioria dos servidores do Executivo Federal, o Ministério da Economia abriu as portas e realizou uma reunião com representantes do Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais) na terça-feira, 22. A data coincide com a véspera do início de uma greve por reposição emergencial de 19,99%, pleito protocolado pelo conjunto do funcionalismo no dia 18 de janeiro e reapresentado nos 2 e 18 de fevereiro. Além da Condsef/Fenadsef, participaram da reunião o Sinasefe, Asfoc, Fasubra, Fenasps e a CUT.

 

Sem avanços concretos, a reunião foi conduzida pelo diretor de Relações de Trabalho no Serviço Público, José Borges. O governo segue insistindo na impossibilidade de abrir negociações que gerem impacto financeiro por limitações orçamentárias. Diante dos questionamentos sobre o longo silêncio frente às reivindicações dos servidores surgiu a promessa de que uma resposta oficial aos pleitos apresentados deve ser dada até o dia 1º de abril.

 

Desde a semana passada o Fonasefe mantém uma vigília permanente em frente ao Bloco P do ministério que vai ser mantida nas próximas semanas. Nessa quarta, 23, quando algumas categorias devem iniciar paralisações em defesa de uma reposição salarial emergencial, a vigília receberá reforços a partir das 10 horas. O Fonasefe também anunciou uma jornada de lutas que vai acontecer entre os dias 29 e 31 de março com participação de todas as entidades e centrais sindicais.

 

Só não virá a reposição se o governo não quiser!

 

A última negociação em torno do reajuste salarial do funcionalismo público aconteceu em 2015, durante a gestão da ex-presidenta Dilma Rousseff. Depois disso, as negociações foram encerradas e os salários, da massa dos servidores, ficaram congelados. São cinco anos sem reajuste para a grande maioria dos servidores federais. E com o retorno do fantasma da inflação, eles estão, na verdade, sendo puxados para baixo.

 

No orçamento 2022 o governo Bolsonaro destinou R$37,6 bilhões de reais para emendas parlamentares, desse total R$16,5 estão no “orçamento secreto”. Também estão reservados quase R$2 trilhões para o refinanciamento da dívida pública que gera lucros absurdos para uma pequena minoria de banqueiros e especuladores do mercado financeiro.

 

Além disso, em 2021, graças ao aumento consecutivo dos combustíveis, a arrecadação aumentou 17,35%! Corrigido pela inflação, o valor representa R$ 1,971 trilhão. Ou seja, verbas públicas não faltam. O que falta é vontade política de investir no setor público que atende milhões de brasileiros.

 

Pressão para seguir furando bloqueio

 

Mesmo frente as negativas do governo, servidores não devem recuar e vão seguir insistindo em buscar uma recomposição emergencial capaz de recompor perdas nos últimos anos. “Estamos começando a furar o bloqueio com nossas ações de pressão, mas eles seguem resistentes em sinalizar com qualquer proposta em direção ao nosso pleito legítimo”, pontuou Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Condsef/Fenadsef.

 

Na avaliação da entidade as ações de pressão foram fundamentais para que o governo acenasse com essa primeira reunião, no entanto é preciso manter e reforçar o processo de mobilização. “Nossa resistência, pressão e nossa luta é que vão ditar o tamanho de nossa vitória”, resumiu Sérgio Ronaldo.

 

Vale lembrar que servidores têm até o dia 4 de abril para conquistar a reposição inflacionária emergencial que traga alívio financeiro para a categoria. Se não houver correção neste momento, ela só poderá ser feita em 2024, devido a legislação aprovada no ano passado que proíbe a reavaliação de salários em anos de transição de mandatos de governadores e presidentes.

 

 

Fonte: https://bit.ly/3JEP4T8

 

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br