Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > TELETRABALHO - A CEREJA DO DESMONTE DO INSS

Teletrabalho - a cereja do desmonte do INSS

28/01/2019

Teletrabalho é uma armadilha jogada pelo Governo para precarizar as relações de trabalho entre os servidores

Escrito por: Sinssp

 

O IN 98 de 19/12/2018, que institui o Teletrabalho no INSS, é uma tentativa de segurar os servidores que estão para se aposentar e modernizar o trabalho, segundo o Governo. Porém, o SINSSP tomou conhecimento de que essa é mais uma medida de aprofundar o desmonte do INSS, precarizar as relações de trabalho e lucrar em cima do servidor.

 

Segundo informações da IN 98, o Governo pode retirar 40% da mão de obra das agências, o que vai agravar ainda mais a falta de servidores nas unidades de trabalho e prejudicar o atendimento à população com o enorme número de servidores se aposentando.

 

O Governo já admite que o Instituto poderá ter a saída de 11 mil somente em janeiro, uma redução drástica de servidores e isso pode ocasionar o fechamento de várias unidades por falta de trabalhadores, aprofundando ainda mais o desmonte do INSS.

 

A IN 98 vai ao encontro com a Reforma Trabalhista, ou seja, ela precariza as relações de trabalho. De acordo com o Cap. IV – Art 30 – item XI da IN, o servidor terá a obrigação de montar toda a infraestrutura para o trabalho: computador, energia, internet, água, luz etc., sem qualquer ajuda de custo, ou seja, o Governo reduzirá custos às custas dos servidores.

 

As metas serão individuais acabando com a lógica da avaliação da GDASS que é uma meta coletiva que reflete e compromete desde a APS até a direção Central do INSS, onde sempre foi garantido o ganho dos 100%, já no Teletrabalho as metas serão para uma carga horaria de 8 horas, superior à meta das APS’s e será definida uma pontuação, portanto, o servidor que faz 6 horas por conta do REAT terá que cumprir a nova forma e será cada um por si. Caso não cumpra a meta terá seus salários descontados e pagos de forma proporcional. Essa medida pode significar o fim do REAT e o retorno das 8hs para todo o INSS.

 

O “Novo” (velho) governo tem anunciado na imprensa várias medidas que pretende tomar contra os servidores públicos: fim da estabilidade, acabar com a paridade, suspensão dos aumentos, fim do regime próprio de previdência, entre outras medidas.  O Teletrabalho vai ao encontro às medidas, dividindo a categoria naqueles que ficaram nas unidades, cerca de 60%, e os que trabalharão em casa, cerca de 40%, enfraquecendo o poder de luta e negociação e facilitando a implementação da Reforma da Previdência e as medidas que atacam e destroem o INSS.

 

Os servidores devem dizer não ao TELETRABALHO e exigir a imediata contratação de servidores por concurso público, não ao desmonte do INSS e contra a Reforma da Previdência.

 

 

Fonte:Sinssp

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br