Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > SETE VERDADES QUE PARECEM MITO SOBRE O CÂNCER DE MAMA

Sete verdades que parecem mito sobre o câncer de mama

06/11/2018

Câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma

Escrito por: Sinssp

 

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma. Sua incidência responde por cerca de 28% do total de casos novos a cada ano, de acordo com o INCA. Já o câncer do colo de útero mata, em silêncio, cerca de 5 mil brasileiras anualmente

 

Para levar informações confiáveis para as mulheres, o Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) lançou a campanha Mulher por inteiro, que acontece durante a programação do Outubro Rosa. “Já faz alguns anos que alertamos as mulheres da importância de cuidar de sua saúde integralmente. O cuidado com as mamas é primordial pois sua incidência é cada vez maior, mas reforçamos também que o câncer de colo de útero pode ser evitado com prevenção e chamamos a atenção para o câncer de ovário, que é o mais difícil de ser diagnosticado e, por isso, requer cuidado redobrado”, revela Marlene Oliveira, presidente do LAL.

 

Verdades sobre o câncer de mama

 

Por ser uma doença de alta incidência, há muitas informações desencontradas sobre o câncer de mama que acabam dificultando o seu diagnóstico. Por isso, o oncologista e membro do comitê científico do LAL, Dr. Marcelo Cruz, esclarece uma série de verdades que podem ser confundidas com mitos, mas que precisam ser levadas a sério.

 

Obesidade e sedentarismo aumentam as chances de ter a doença

 

“O excesso de peso, principalmente após a menopausa, faz com que o tecido gorduroso que se acumula no corpo produza estrogênio e aumente as chances da doença”, afirma Dr. Cruz. Ele reforça que a falta de uma vida saudável, sem prática de exercícios também pode dar brechas para o desenvolvimento do tumor. “Além disso, consumir bebidas alcoólicas, mesmo que em pequenas quantidades, pode agravar as chances de ter a condição”, explica ele.

 

O autoexame deve ser feito após o período menstrual

 

Durante a menstruação, as mamas ficam mais enrijecidas e doloridas, dificultando a identificação de eventuais lesões. Por isso, o autoexame precisa ser feito a partir dos 20 anos de idade, de seis a sete dias após o início do período menstrual, quando a mama está menos sensível e mais flácida.

 

Não é preciso ter histórico familiar para desenvolver o câncer de mama

Mais de 90% dos casos de câncer de mama não tem relação com história familiar. Apenas o fato de ser mulher faz com que a chance de desenvolver o tumor seja de 12%, independentemente de ter casos na família. A estimativa é de que uma em cada oito brasileiras de até 70 anos terão a condição.

 

Amamentar protege a mulher do câncer de mama

 

Quanto menos a mulher for exposta a variações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual, menores são as chances de ter a doença. Mulheres gestantes e que amamentam seu filho terão os ciclos interrompidos por longos períodos. Quanto maior o período de amamentação e o de número de filhos até 35 anos, maior é a prevenção.

 

Além disso, quando o bebê mama, as células mamárias ficam ocupadas com a produção de leite e se multiplicam menos, o que reduz o risco de contrair a doença.

 

Gravidez antes dos 30 anos previne câncer de mama; gravidez tardia aumenta o risco

 

A gravidez previne o câncer de mama se ocorre antes dos 30 anos. Quanto menos a mulher menstruar menor é a chance de ter o câncer de mama. Ter filhos até esta idade e amamentar podem ajudar na prevenção.

 

Mulheres em tratamento contra o câncer de mama não podem amamentar

 

Embora as células cancerosas não possam passar para o bebê através do leite materno, os médicos aconselham às mulheres que iniciam o tratamento com isótopos radioativos ou com quimioterapia que parem de amamentar até que os elementos radioativos ou medicamentos sejam completamente eliminados do seu corpo.

 

Quando diagnosticada no início a doença costuma ter cura

 

Felizmente é verdade. O diagnóstico precoce do câncer de mama pode aumentar consideravelmente as chances de cura em até 90%. A forma mais eficaz de evitar a evolução da doença é a realização de exames periódicos. O único exame capaz de diminuir a mortalidade pelo câncer de mama é a mamografia.

 

Esta informação é a última das várias que o SINSSP publicou durante a campanha Outubro Rosa. Que cada conteúdo compartilhado possa ter informado e alertado as trabalhadoras do INSS, pois a prevenção leva, na maioria dos casos, a cura da doença quando descoberto desde o início. Portanto, fique atenta, é tempo de prevenir e combater o câncer de mama.

 

Serviço

 

O Instituto Lado a Lado pela Vida tem a missão de ampliar o acesso às novas tecnologias e humanizar a saúde de norte a sul do Brasil através do diálogo, do acolhimento e da promoção do bem-estar físico e emocional. Para isso, a equipe do Instituto percorre o país propagando a importância da prevenção, do autocuidado e da autoestima, levando para homens, mulheres e crianças essa conscientização de que a saúde é o bem mais valioso e merece atenção especial. Saiba mais e faça parte desse desafio e dessa nobre missão. www.ladoaladopelavida.org.br

 

 

 

Lado a lado pela Vida, com informações do SINSSP

 

 

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

Copyright @ CUT Central Única dos Trabalhadores | 3.820 - Entidades Filiadas | 7.890.353 - Sócio | 24.062.754 - Representados
CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP | Telefone (0xx11) 2108 9200 - Fax (0xx11) 2108 9310
CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF | Telefone: (0xx61) 3322 5062 e (0xx61) 3322-5060