Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > ACONTECE > CAMPANHA DA CUT E CENTRAIS PELOS R$ 600 ESTÁ NAS RUAS E NAS REDES. PARTICIPE!

Campanha da CUT e centrais pelos R$ 600 está nas ruas e nas redes. Participe!

24/09/2020

Governo de Bolsonaro reduziu para R$ 300 o auxílio e entidades sindicais pedem para presidente da Câmara votar Medida Provisória e manter os R$ 600 até o fim da calamidade pública

Escrito por: CUT

 

A campanha da CUT e demais centrais sindicais pela manutenção do valor do auxílio emergencial, que o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) baixou de R$ 600 para R$ 300, por meio da Medida Provisória nº 1000/2020, está nas redes,  nas ruas e no Congresso Nacional.

 

Os slogans são “Coloca o Auxílio Emergencial pra votar, Maia!”, “Bota pra votar JÁ, Maia!” e as hashtags #Vota600 e #600PeloBrasil. A campanha tem ainda um abaixo assinado virtual  para pressionar os parlamentares pela manutenção do auxílio emergencial no valor de R$ 600 reais até dezembro, e todo material está disponibilizado no site da CUT,

 

A pressão maior em cima do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é porque é dele a decisão de pautar ou não o tema. E se em 120 dias uma MP não é votada perde a validade, caduca. Neste caso, se não for votada, a decisão do governo de reduzir o valor do benefício prevalece. O pagamento termina no mesmo prazo em que acaba o prazo para votar a MP. Portanto, a hora de participar da campanha nas redes, de assinar o abaixo-assinado é agora. Participe!  

 

O que é a campanha

 

A “Campanha nacional pelo auxílio emergencial de R$ 600” é uma mobilização das entidades sindicais para os parlamentares mantenham o valor do auxílio aprovado pelo Congresso Nacional de R$ 600,00 (R$ 1.200,00 para mães chefes de família) até dezembro.

 

O presidente da CUT, Sérgio Nobre, lembra que o Auxílio Emergencial foi uma conquista do movimento sindical que, no início da pandemia, pressiono deputados e senadores a pagar um valor maior para minimizar os impactos sociais e econômicos na vida de milhões de desempregados, microempreendedores e informais que ficaram totalmente sem renda.

 

Segundo Sérgio, o governo Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, diziam desde março que seria impossível pegar mais do que R$ 120. Foi a pressão de sindicatos e da bancada da oposição no Congresso que elevou o valor para R$600, obrigando o governo a pagar. O valor que eles queriam seria uma tragédia para o país, afirmou.

 

“De acordo com pesquisas, pode se ter certeza que esta é a melhor decisão política para o momento, porque os estudos mostraram que a população brasileira usou os R$ 600 para comprar remédio, alimentos e materiais de higiene. E agora com a inflação dos alimentos da cesta básica fora do controle os R$ 300 não vai dar para nada. Manter os R$600 até dezembro é fundamental para evitar um caos social e continuar movimentando a indústria e a economia”, afirmou o dirigente na coletiva de Imprensa do lançamento da campanha, que aconteceu nesta semana. 

 

Em nota, as 11 centrais sindicais, que estão organizando a campanha, alertam que a redução do auxílio compromete gravemente a capacidade de as famílias garantirem alimentação, moradia, transporte e outros bens de consumo básicos.

 

“Esse auxílio teve um impacto positivo na massa de rendimentos das famílias que, transformada em consumo, foi capaz de sustentar mais de 2% do PIB brasileiro em 2020”, diz trecho do documento.

 

“Além disso, garantiu o consumo básico de mais de 60 milhões de pessoas, ajudou a mais de 66 milhões de trabalhadores e trabalhadoras informais, fomentou a atividade nas empresas e protegeu milhões de empregos”, conclui.

 

As centrais sindicais estão articulando com os movimentos populares e sociais, igrejas, torcidas organizadas de futebol e campanhas como a da Renda Básica, entre outras, para ampliar a mobilização e fortalecer o movimento. CNBB, OAB, frentes Brasil Popular e outros movimentos também estarão juntos na luta.

 

“A ideia é que possamos, com mobilização e o trabalho de convencimento da população e no Congresso Nacional, conseguir alcançar nosso objetivo que é proteger os trabalhadores e trabalhadoras que precisam do auxílio enquanto durar a calamidade pública imposta pela pandemia do novo coronavírus”, ressaltou o assessor do Fórum das Centrais, Clemente Ganz Lúcio, durante lançamento da campanha.

 

 

Érica Aragão / Edição Marize Muniz

 

 

 

https://www.cut.org.br/noticias/campanha-da-cut-e-centrais-pelos-r-600-esta-nas-ruas-e-nas-redes-participe-2948

 

 

 

 

 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br